©  2017 por Clínica Psicologia e Desenvolvimento

Avenida da Boavista, 280, 1º Dtº  4050-113 Porto

Tel: 911 131 360

  • White Facebook Icon
  • White Google+ Icon

Distimia – Aquela tristeza que não vai embora

August 1, 2017

É normal as pessoas sentirem-se desanimadas em alguma altura da vida. Ocasionalmente podemos sentir-nos tristes. Passamos por desafios que nos deixam “em baixo” e podemos precisar de uns tempos para nos reorganizar.

Agora, imagine que essa tristeza não desaparece e o desânimo passa a ser a companhia quase diária.

 

 A Distimia tem como característica central o humor depressivo durante a maior parte dos dias, durante pelo menos dois anos.

As pessoas costumam descrever o que sentem como se “tivessem batido no fundo do poço”, e por uma tristeza persistente.

Dado que os sintomas acabam por se tornar parte da vida da pessoa, nem sempre é fácil o próprio perceber que algo precisa da sua atenção.

Quando o inicio da distimia é na infância ou adolescência ouve-se muitas vezes “eu sempre fui assim” e os sintomas não são descritos pela pessoa a não ser que seja questionada diretamente.

 

Distimia e Depressão (perturbação depressiva Major) não são a mesma coisa. Podem, no entanto, existir episódios depressivos antes ou durante o período da distimia.

A Depressão engloba outros sintomas que não fazem parte da distimia como, por exemplo: sintomas como a agitação ou lentificação psicomotora, sentimentos de inutilidade ou culpa excessivos ou inadequados, podendo existir pensamentos e ideias recorrentes de morte ou suicídio e, tentativas e planos para realizá-los. Os sintomas estão presentes durante pelo menos duas semanas consecutivas.

 

Alguns sintomas da Distimia (perturbação Depressiva Persistente) são:

  • Menos apetite do que o habitual, ou apetite aumentado

  • Insónia (dificuldade em dormir), ou querer dormir mais do que o habitual

  • Baixa energia ou fadiga

  • Baixa autoestima

  • Falta de concentração

  • Sentimentos de desesperança

 

Claro que todos estes sintomas podem afetar a qualidade de vida, o funcionamento social e ocupacional.

É importante procurar ajuda e começar um processo psicoterapêutico.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

10 razões para experimentar EMDR

February 10, 2017

1/2
Please reload

Posts Recentes

November 18, 2019

September 16, 2019

March 8, 2019

February 21, 2019

February 12, 2019

January 13, 2019

Please reload

Arquivo